16 de abr de 2015

Mudanças no projeto da terceirização ficam para a próxima quarta

Acordo entre líderes partidários adiou para a próxima quarta-feira (22) a votação dos destaques ao projeto que amplia as terceirizações para qualquer área das empresas (PL 4330/04). É o segundo adiamento, diante de apelos de líderes preocupados com o desconhecimento do teor dos destaques e o surgimento de novas emendas no decorrer da votação.

O acordo teve aval do PT, do bloco PMDB e de PSDB, PRB, PR, SD, DEM, PDT, PPS e PV. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, disse que os partidos se comprometeram em não impedir votações de medidas provisórias com a intenção de impedir a retomada da análise das terceirizações e também não vão apoiar eventuais pedidos de retirada de pauta do tema.

O líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), comemorou o acordo. "Prevaleceu o bom senso, um projeto desta magnitude, há que ter uma maioria para votação", disse.


Guimarães afirmou que vários deputados ainda não tiveram tempo para entender a dimensão das mudanças propostas. "Ouvimos vários deputados perguntar: que emenda é essa? por que isso? por que aquilo?”, disse. "Pairou uma grande dúvida, vamos conversar, vamos dialogar para unificar a base", declarou.


Agência Câmara

15 de abr de 2015

Brasileiro gasta em média R$ 27,36 ao dia para almoçar fora

Os brasileiros gastam, em média, R$ 27,36 por dia para almoçar fora de casa nas grandes cidades, aponta a pesquisa "Preço Médio 2015", encomendada pela Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalho (Assert) e realizada pelo Instituto Datafolha em 51 municípios, sendo 23 capitais, das 5 regiões do País. O gasto para comer fora pode chegar a R$ 601,92 em um mês, o equivalente a 76,4% do salário mínimo nacional (R$ 788).

Os valores levam em conta o custo de uma refeição completa - que inclui, além do prato principal, uma bebida não alcoólica, sobremesa e cafezinho - durante uma semana com cinco dias de trabalho em um mês com 22 dias úteis. O estudo considerou a refeição completa em diferentes ofertas ou tipo de refeição, como prato feito ou comercial, refeição a quilo ou a preço fixo, prato executivo e à la carte. Para aqueles que trabalham aos sábados, a despesa mensal sobe para R$ 711,36, equivalente a 90,3% do salário mínimo.

Entre as regiões do País, o Sudeste é onde o trabalhador mais gasta para almoçar diariamente: R$ 27,76 em média. Em seguida aparecem Nordeste (R$ 26,98), Norte (R$ 26,11) e Centro-Oeste (R$ 26,09). A região Sul é onde o brasileiro desembolsa o menor valor para comer: R$ 25,70 por dia. Entre as cidades pesquisadas, Florianópolis (SC) apresentou o maior tíquete médio diário (R$ 39,96), seguida pelo Rio de Janeiro (R$ 33,66). Na capital paulista, o trabalhador gasta R$ 27,89. O menor valor é desembolsado em Uberlândia, Minas Gerais: R$ 20,61.


A pesquisa da Assert mostra que os itens que vão à mesa do brasileiro variam entre as regiões, mas a combinação arroz com feijão segue como preferência nacional. O levantamento traz a percepção de um grande aumento da demanda por frutas (59%), legumes e verduras (68%) e sucos naturais (70%). Ao todo, 5.118 estabelecimentos foram avaliados de 25 de novembro a 18 de dezembro de 2014. A pesquisa foi realizada com nova metodologia, por isso não foi possível comparar as variações de preços entre um ano e outro.

13 de abr de 2015

Tarifas de água e esgoto podem subir até 15,04% a partir de maio em Minas

As tarifas de água e esgoto da Copasa (Companhia de Saneamento de Minas Gerais) poderão subir até 15,04% a partir de maio deste ano. O reajuste foi aprovado pela Arsae-MG (Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário do Estado) nesta sexta-feira (10) e vale desde o dia 13 de maio, com aplicação de até um ano.

De acordo com o órgão, o principal fator que motivou a liberação foi a elevação de 62,22% nos custos de energia elétrica da Copasa. Conforme a Arsae-MG, o índice contribuiu com 5,58 pontos percentuais do total do aumento autorizado.

Para consumidores residenciais com consumo de 10 mil litros de água por mês e serviço de coleta de esgoto, a fatura vai ter acréscimo de R$ 5,20. Já usuários beneficiados pela tarifa social instituída pelo órgão em 2012, com o mesmo consumo, o aumento será de R$ 3,55 no preço. A resolução será publicada no Diário Oficial do Estado no sábado (11).

Para a definição do índice de reajuste nas tarifas da Copasa, a Arsae aplicou a metodologia definida pela agência e submetida a Audiência Pública em 2011.


Em entrevista, Paulinho explica como projeto aprovado vai melhorar a vida dos terceirizados

O deputado federal e presidente do Solidariedade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, explica os motivos que o levaram a apoiar o projeto que regulamenta os contratos de terceirização no Brasil. E garante: cumpri minha missão de defender os trabalhadores.

Por que o apoio ao projeto da terceirização?
A terceirização já é praticada no Brasil há muito tempo e é uma verdadeira esculhambação. Tanto é que cerca de 12,7 milhões de trabalhadores são contratados seguindo esse modelo e sem nenhuma proteção. Os terceirizados, em geral, não tinham a mesma assistência médica, a mesma alimentação, o mesmo transporte e os mesmos direitos dos demais trabalhadores.
O projeto inicial, de 2004, que regulamentava a terceirização, era muito ruim e seria aprovado pelo Congresso.

O que fizemos?
Modificamos o projeto e apresentamos uma série de emendas para que os terceirizados tenham os mesmos direitos dos demais trabalhadores.
Dos 23 artigos desta nova legislação, 19 tratam só de direitos trabalhistas.

Como serão essas empresas especializadas?
Pela nova legislação, as empresas contratadas terão que ser especializadas em uma única atividade. Hoje, as mesmas empresas oferecem porteiro, faxineiro, vigilante etc. Não serão mais permitidos fornecedores desse tipo de mão de obra. Não vão poder mais fazer isso.


Leia a entrevista completa aqui.

Inflação da terceira idade acumula alta de 8,56% em 12 meses

O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a variação de preços de indivíduos com mais de 60 anos de idade, ficou em 4,16% no primeiro trimestre deste ano. Em 12 meses, o indicador acumula alta de 8,56%. Os números foram divulgados nesta segunda-feira (13) pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

A variação do custo de vida dos idosos ficou abaixo da taxa acumulada pelo Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), 8,59%, no mesmo período.

Esse índice de preços ficou acima da inflação oficial, de 8,13%, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O índice está bem superior ao teto da meta de inflação do Banco Central, que é de 6,5%.

Contribuíram para o avanço de preços a variação em transportes (de 1,96% para 4,98%), alimentação (de 2,92% para 4,31%), despesas diversas (de 0,56% para 3,65%) e saúde e cuidados pessoais (de 1,47% para 1,59%).


Na contramão, diminuíram as variações de vestuário (de 2,16% para -0,64%), educação, leitura e recreação (de 2,94% para 2,10%) e comunicação (de 0,85% para 0,38%).

G1

9 de abr de 2015

Conheça a PL da Terceirização

A Força Sindical reuniu o Projeto de Lei da Terceirização e as emendas propostas pelo do deputado federal Paulinho da Força, e que são compartilhadas no blog do SINDVAS, para que os trabalhadores saibam cada vez mais do que se tem discutido em Brasília e que é de interesse dos brasileiros.

O texto-base da PL foi aprovado na última quarta-feira (8), mas deve receber modificações na próxima semana quando pontos polêmicos devem ser decididos em votações separadas.


Acesse os links e conheça o Projeto de Lei e as emendas.






Produção de veículos supera 250 mil em março

A produção de veículos montados em março de 2015 foi de 253.622 unidades, de acordo com dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA). A informação está no boletim de desempenho do setor automotivo em março e divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE).

O montante de produção divulgada pela ANFAVEA representa um aumento de 22,9% em comparação com o mês anterior.  
Se a comparação for como mês de março de 2014 ocorre recuo de 7% na produção e no acumulado desde ano frente ao do ano anterior, a queda é de 16,2%.

Veículos leves
A produção de veículos leves em março apresentou aumento de 24,4% se comparado com o mês de fevereiro. Em relação do mês de março de 2014 houve queda de 4,6%.  A produção diminuiu 14,3% se comparação for entre o acumulado desde ano com o anterior.
Caminhões
Foram produzidas 7.374 unidades no mês de março que representa queda de 5,3% sobre o mês anterior. Em comparação ao ano anterior, a queda é de 46,7% e no acumulado de 2015 em relação do último ano a queda é de 49,3%.
Ônibus
A produção de ônibus reduziu 2,9% em comparação ao mês anterior, sobre o mês de março de 2014 houve queda de 24,7%.  A produção apresenta queda de 17,7% na comparação do acumulado deste ano com o do último.
Máquinas agrícolas automotrizes
A produção total de máquinas agrícolas automotrizes em março foi de 6.004 unidades, aumento de 23,5% em relação ao mês anterior. No comparativo com o mesmo mês do ano anterior houve diminuição de 14%.  No acumulado do ano de 2015 frente ao mesmo período do ano anterior a produção reduziu 22,1%.
Emprego no setor automotivo

O número de trabalhadores do setor em março foi de 140.851 mil trabalhadores, isso significa redução de 1466 postos em relação ao mês anterior. Na comparação entre março deste ano com o mesmo período do ano anterior o emprego apresentou queda de 9,4%.

Informativo das Centrais Sindicais CSB, Força, UGT, Nova Central


8 de abr de 2015

Câmara aprova texto principal de projeto que regulamenta terceirização

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (8) por 324 votos a favor, 137 votos contrários e duas abstenções, o texto principal do projeto de lei que regulamenta os contratos de terceirização. Propostas de destaques (alterações do texto) ainda serão discutidas pelo plenário na próxima semana. Depois de concluída a votação, o texto seguirá para análise no Senado.

Criticada pelo PT e algumas centrais sindicais e defendida por empresários, a proposta permite que empresas contratem trabalhadores terceirizados para exercer qualquer função. Atualmente esse tipo de contratação é permitida apenas para a chamada atividade-meio, e não atividade-fim da empresa. Ou seja, uma universidade particular, por exemplo, pode terceirizar serviços de limpeza e segurança, mas não contratar professores terceirizados.

Pelo texto que será votado na Câmara, essa limitação não existirá mais. Além disso, o projeto prevê a forma de contratação tanto para empresas privadas como públicas. O modelo só não se aplica à administração pública direta, autárquica e fundacional.

Durante a sessão, o relator da proposta, deputado Arthur de Oliveira Maia (SD-BA), disse que a regulamentação da terceirização traz “segurança jurídica” aos contratos e afirmou que buscou uma “uma linha média capaz de atender aos trabalhadores, empresários e à economia brasileira”.


Já deputados do PT fizeram discursos contrários ao projeto, alegando que ele aumentará as terceirizações e irá “precarizar” as condições de trabalho. “A terceirização não permite que nenhum trabalhador de qualquer setor possa pensar em ascensão futura, em cargos decomando”, declarou o líder do PT, Sibá Machado (AC).

G1