28/11/2014

Está chegando!! Baile de Confraternização!!


Vale da Eletrônica mantém investimentos mesmo com crise

Uma reportagem publicada pelo jornal Diário do Comércio, desta sexta-feira (28), traz o quadro positivo de Santa Rita do Sapucaí, o Vale da Eletrônica, diante da crise econômica.  Segundo a publicação que ouviu o presidente do sindicato patronal, Roberto de Souza Pinto, os investimentos na ampliação, lançamento de produtos e novas fábricas foi da ordem de R$ 140 milhões somente em 2014.


As empresas do Sul de Minas devem encerrar o ano com crescimento de 12% mesmo com os entraves na economia brasileira e o Arranjo Produtivo Local do Vale da Eletrônica é, segundo a reportagem, um dos principais fatores para esse desempenho positivo.

27/11/2014

Conceição dos Ouros é cidade com menor número de acidentes de trabalho na base do SINDVAS em 2012

A cidade de Conceição dos Ouros é a que registra menos acidentes de trabalho entre os municípios que fazem parte da base do Sindicato. De acordo com o Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho de 2012, disponível pelo Ministério da Previdência Social, foram 11 acidentes de trabalho registrados em Conceição dos Ouros.  

O número de acidentes chegou a 17 em Cachoeira de Minas e em Santa Rita do Sapucaí 150. Santa Rita possui mais postos de trabalho o que explica o número maior de registros.


As estatísticas também apresentam os números de 2011 para as três cidades. Em Conceição dos Ouros, naquele ano, 43 trabalhadores foram acidentados. Na cidade de Cachoeira de Minas foram 13 acidentes e em Santa Rita do Sapucaí 140 trabalhadores sofreram acidentes.

Arrocho no seguro-desemprego

Já estão na mesa do governo as primeiras medidas que devem ser tomadas pela nova equipe econômica para reduzir os gastos e melhorar a situação desastrosa das contas públicas. As decisões, a serem anunciadas logo depois da posse dos novos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, devem atingir benefícios trabalhistas, como o seguro-desemprego e o abono salarial.

O governo pretende reduzir o número de parcelas do seguro-desemprego a partir do segundo pedido do benefício. Hoje, quem é demitido tem direito a receber entre três e cinco parcelas. Elas poderão cair para duas a quatro, na segunda solicitação, e para uma a três, no máximo, no caso de um terceiro requerimento. Também está em discussão o aumento do período de carência entre um pedido e outro. Hoje, esse prazo é de 16 meses.

Estão previstas ainda mudanças para restringir o acesso à pensão por morte, paga pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a dependentes dos segurados, como a exigência de um período maior de contribuição. Além disso, deve aumentar o número necessário de meses trabalhados para que as pessoas tenham direito a receber o abono salarial- benefício pago anualmente a trabalhadores com renda até dois salários mínimos, no valor do piso salarial.

As despesas com seguro-desemprego e abono salarial foram de pouco mais de R$ 3 bilhões, em média, no primeiro trimestre, mas saltaram para R$ 6,8 bilhões de julho a setembro.

As medidas de contenção estão na agenda há tempos, mas vinham sendo postergadas pelo receio do impacto negativo na opinião pública. Entidades trabalhistas já se mobilizam contra os cortes. "Não concordamos com nenhuma medida de retirada do abono salarial ou do seguro-desemprego", afirmou o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas.

Ontem, líderes de centrais sindicais se reuniram com o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Hol-land para tentar convencer o governo a apostar em um "projeto de proteção ao emprego" em épocas de crise. "O trabalhador, em vez de ser demitido, continuaria empregado. Ele teria jornada e salário menores, mas teria a vaga mantida", explicou.

Pela proposta, as empresas poderiam recorrer a esse mecanismo por um prazo determinado. Além disso, haveria um limite, cerca de 30%, para a redução dos salários. "O governo poderia compensar o trabalhador pela diminuição de renda. A fonte desse dinheiro ainda está em discussão", afirmou o primeiro secretário da Força Sindical, Sérgio Leite.

"Hoje, é utilizado o sistema de lay-off. Mas ele tem um problema grave, que é a suspensão do contrato do trabalhador. Isso pode prejudicá-lo futuramente, como, por exemplo, em questões previdenciárias", disse Freitas, da CUT.

Correio Braziliese

25/11/2014

No Dia da Não Violência contra a Mulher, ONU inicia ações de combate à opressão

Uma em cada três mulheres no mundo já sofreu violência física ou sexual, cerca de 120 milhões de meninas já foram submetidas a sexo forçado e 133 milhões de mulheres e meninas sofreram mutilação genital, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU).

Embora essas violações sejam comuns ao cotidiano de milhares de mulheres, muitas vezes elas se tornam invisíveis ou são tratadas como algo relativo à esfera familiar. Para romper esse silêncio, desde 1981 o movimento feminista comemora, com luta, em 25 de novembro, o Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher.

Neste ano, a ONU Mulheres, organização das Nações Unidas dedicada à igualdade de gênero, iluminará o prédio da entidade em Brasília e também a sede principal, em Nova York, com a cor laranja. A iluminação é uma das atividades que serão promovidas de hoje (25) até o dia 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, no âmbito dos chamados 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero.

Representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman diz que a data contribui para a inserção da luta contra a violência na agenda política. “É uma data que tem sido importante para mobilizar tanto o governo quanto a sociedade civil e colocar na pauta dos meios de comunicação esse problema, que é muito grave entre as mulheres”, explica.

No Brasil, a programação é diversa. Hoje, no Rio de Janeiro, haverá exposição de grafite, oficina e roda de conversa sobre violência contra a mulher. Amanhã será a vez de um debate na internet sobre os compromissos assumidos pelos países para enfrentar a violência, além das políticas públicas para garantir os direitos das mulheres. Nos dias 26 e 27, serão realizadas oficinas e debates, em Brasília e João Pessoa, com juízes e outros operadores de Justiça sobre a adaptação do Protocolo Latino-Americano para Investigação das Mortes por Razões de Gênero à legislação brasileira. A programação seguirá em dezembro e pode ser conferida no site daONU Mulheres.

A representante da organização no Brasil destaca que, neste ano, a campanha também alerta para o cumprimento da Plataforma de Ação de Pequim, cuja aprovação completará 20 anos em 2015. Fruto da 4ª Conferência Mundial sobre a Mulher, a plataforma listou 12 áreas de trabalho, como Mulheres e Pobreza e Mulheres e a Mídia, e apontou ações concretas que deveriam ser desenvolvidas pelos países signatários para promover a igualdade de gênero.

Em relação à violência, considerava que essa violação “constitui obstáculo a que se alcance os objetivos de igualdade, desenvolvimento e paz”, nos termos da declaração. Quase 20 anos depois da aprovação do texto, mais de dois terços dos países aprovaram leis contra a violência doméstica, em decorrência das propostas elaboradas em Pequim, segundo a ONU. As leis, contudo, não têm sido cumpridas a contento, na avaliação da organização. Além disso, o objetivo de “prevenir e eliminar todas as formas de violência contra as mulheres e meninas” segue distante.


“Há toda uma questão da prevenção da violência contra as mulheres que tem a ver com os estereótipos de gênero e as relações entre homens e mulheres, além das leis, políticas e planos, os quais têm que ser formulados. Também é preciso ter recursos, tanto humanos quanto financeiros [para sua implementação]”, diz Nadine.


Agência Brasil

21/11/2014

Acordo Coletivo da Delphi, unidade de Conceição dos Ouros-MG, é fechado



A empresa Delphi, unidade de Conceição dos Ouros, foi uma das últimas a fechar a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho. A assembleia com os trabalhadores realizada no dia 18 de novembro contou com a presença massiva do primeiro e segundo turno em frente à entrada da empresa.

A negociação deste ano começou com a empresa oferecendo reajuste com percentuais bem abaixo da inflação. Isso significava zero de ganho real e que o trabalhador estava perdendo poder de compra.

O Sindicato manteve a postura firme de valorização da categoria e reajuste salarial com ganho real. Os representantes da empresa tiveram que ouvir as reivindicações dos trabalhadores, que ameaçaram greve, e ofereceram 8% de reajuste.

O percentual foi aprovado pelos trabalhadores durante a assembleia. Também foram renovadas as cláusulas de alimentação e transporte que se mantiveram iguais ao último acordo.

20/11/2014

Consciência negra, consciência humana

"Eu me orgulho de ser negra, nunca cogitei que pudesse ser de outra cor. Temos que lutar pela igualdade de fato. O dia da consciência negra tem que, na verdade, ser o dia da consciência humana porque nós negros sabemos quem somos e a origem da nossa raça.

Os fatos que ocorreram neste ano de 2014, dentro dos campos de futebol, deram origem a várias discussões sobre o preconceito no nosso país, mas por outro lado, foram banalizados em redes sociais onde se replicaram mais rápido do que o diálogo sobre como a sociedade brasileira pode caminhar para a igualdade racial de fato.

As atitudes preconceituosas ocorrem, não só no futebol, mas em todos os locais e relações, a rotina é o que assusta e causa tristeza. As políticas afirmativas têm sido colocadas pelos governos porém os resultados não aparecem, exemplo são que se morrem muito mais jovens negros por crimes violentos do que de outras etnias. Essa realidade tem que ser alterada e é por isso que a luta de Zumbi dos Palmares reverbera ainda hoje.

A voz da população negra brasileira precisa ser ouvida e nós como mulheres temos feito isso. A Marcha das Mulheres Negras, programada para 2015, vai levar para a rua o nosso grito de igualdade e de não retrocesso. Os brasileiros precisam olhar para trás, ver a nossa história e compreender que a raça negra foi e é fundamental para a nossa brasilidade".


Maria Rosângela Lopes

Presidente do SINDVAS e da FEMETAL/MG

Recesso

O SINDVAS comunica que entra em recesso no dia 20/12/14.O retorno do atendimento ao público será em 05/01/2015.

Viva a Consciência Negra!